b_Pierre de Fermat

Pierre de Fermat

 

V_fermat

Nascido na França, na primeira década do século [tex]XVII[/tex] Pierre de Fermat foi um Matemático e Cientista. Seu pai era um rico mercador, e lhe propiciou educação privilegiada.
Seu interesse pela Matemática se iniciou com a leitura da Aritmética de Diofanto, obra que seria responsável pela divulgação de um dos maiores problemas Matemáticos que o mundo conheceu.
A sua influência foi limitada por não ter interesse em publicar suas descobertas, conhecidas principalmente por cartas de amigos, e por sua cópia da Arithmetica de Diofanto, que chegou a receber uma versão especial (Aritmética de Diofante contendo observações de Pierre de Fermat), onde foram impressas todas as notas de Fermat. Em suas cartas, ele descrevia idéias, descobertas, e até pequenos ensaios. Era um Matemático que gostava de trocar e resolver desafios.
 
É considerado o Príncipe dos Amadores, pois nunca teve a Matemática como principal atividade na sua vida, dedicando-se à ela em horas de lazer. Mesmo assim, chegou a ser considerado maior Matemático de seu tempo.

 
Contribuições:

Fermat ajudou na criação da Geometria Analítica, em 1629, descrita em um trabalho não publicado (Introdução aos lugares geométricos planos e sólidos). Teve circulação apenas em forma de manuscrito, e mostrava equações gerais da reta, circunferência, e equações mais simples para parábolas, elipses e hipérboles. Partes dessa obra, como o seu método para estabelecer tangentes foram usados por grandes cientistas como Isaac Newton.
 
Também contribuiu com a Teoria da Probabilidade que desenvolveu junco com Pascal, enquanto trocavam cartas. Ambos determinaram as regras essenciais da probabilidade. Porém esse não era seu maior interesse, apenas resolvia os problemas a respeito de probabilidade que lhe eram propostos por Pascal.
Seu maior interesse era na teoria dos números, e em jogos com números, que ele criava, e desafiava outros Matemáticos a resolverem.
 
Foi dele também o estudo de eixos perpendiculares, base das coordenadas cartesianas, cujo estudo é atribuído à René Descartes.

 
O Último Teorema de Fermat:

De todos os seus legados, o mais lembrado, e que resistiu a mais tempo foi o Último Teorema de Fermat, escrito nas margens da página [tex]61[/tex] da Aritmética de Diofante, junto com a frase:
“Eu tenho uma demonstração realmente maravilhosa para esta proposição, mas esta margem é muito estreita para contê-la”
.
De enunciado simples, o teorema afirma que a equação:
[tex]~~~~~~~~~~~~x^n+y^n=z^n[/tex]
não admite solução no conjunto dos inteiros positivos [tex]x[/tex], [tex]y[/tex] e [tex]z[/tex], e [tex]n[/tex], para [tex]n>2[/tex]
 
Durante mais de três séculos, grandes Matemáticos, entre os quais Euler e Gauss, se empenharam nesse teorema. Com o avanço da computação, foram testados milhões de valores [tex]x[/tex], [tex]y[/tex] e [tex]z[/tex], sem se conseguir uma igualdade.
 
Dentre os vários relatos que circundam esse teorema, está o do Matemático Paul Wolfskehl, que havia marcado uma data e horário para seu suicídio. Para passar o tempo enquanto a hora de sua morte não chegava, encontrou em sua biblioteca uma referência ao Último Teorema de Fermat. Absorto em tentar demonstrá-lo, nem percebeu que passava da hora de seu suicídio, acabava-se o dia, e, ao se dar conta, mais um dia raiava, e ali estava ele. Em seu testamento, destinou toda sua fortuna à quem demonstrasse o teorema que lhe salvou a vida.

 
Andrew Wiles:

358 anos após o mundo conhecer o Último Teorema de Fermat coube à Andrew Wiles, demonstrar a veracidade de seu teorema. Como tese de seu PHD em Matemática, Wiles concluiu o trabalho de sua vida, que colocaria seu nome entre os grandes Matemáticos. Foi dele a descoberta do Santo Graal da Matemática. Cabe a nós também dar crédito à esse ilustre Matemático, que merece uma seção nessa biografia.

V_Wiles

Diferentemente de Fermat, Wiles trabalhava sozinho no teorema, compartilhando seu progresso apenas com um de seus amigos, que era, como ele professor de Matemática em uma universidade.
Após entregar sua demonstração, foi descoberto um erro, que custou-lhe mais dois anos de trabalho, sob o medo de outro Matemático usar sua base (que fora tornada pública). Finalmente, Wiles entregou a demonstração corrigida e correta do teorema.

 
Considerações finais e curiosidades:

[tex]\bullet[/tex] Após sua morte, seu nome foi dado à mais antiga e prestigiada escola de Toulouse, a Lycée Pierre de Fermat. Recebeu também uma escultura em sua homenagem.
 
[tex]\bullet[/tex] As histórias de Fermat, Wiles, e vários outros grandes Matemáticos misturam se no livro “O Último Teorema de Fermat” de Simon Singh, que chegou a ser apresentado em uma versão para televisão na série de documentários “Horizon” da BBC.
 
[tex]\bullet[/tex] Outro fato que fascina é que apesar de nunca ter a Matemática como principal atividade de sua vida, Fermat ainda é lembrado por seu incrível legado.
 
[tex]\bullet[/tex] No aníversário de 410 anos do teorema, ele recebeu uma homenagem da Google, que o estampou em sua página, juntamente com a célebre frase escrita na margem da Aritimética.

V_pierre_de_fermat-2011-hp



Fontes:
– Wikpedia: Pierre de Fermat
– Wikpedia: Andrew Wiles

Vinicius Lambardozzi Nascimento
aluno do PIC – OBMEP

Link permanente para este artigo: http://clubes.obmep.org.br/blog/b_pierre-de-fermat/